Q

Previsão do tempo

7° C
  • Friday 8° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
7° C
  • Friday 8° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
7° C
  • Friday 8° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C

Quinze ex-combatentes no Ultramar receberam medalhas

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quinze ex-militares que estiveram na guerra no Ultramar receberam condecorações no passado dia 5, numa cerimónia realizada na Escola de Sargentos do Exército (ESE), nas Caldas da Rainha, onde esteve o presidente da Direção Central da Liga dos Combatentes, tenente-general Chito Rodrigues.
Imposição de condecorações

A sessão incluiu uma cerimónia de boas-vindas pelo comandante da ESE, coronel Monteiro Sardinha, visita às instalações, missa na capela da ESE e formatura geral na parada, onde foram entregues as condecorações.

No seu discurso, o comandante da ESE salientou “o justo reconhecimento àqueles que, de uma forma exemplar, cumpriram a missão que lhes foi atribuída”, referindo ainda o “exemplo que constitui para as gerações mais novas, para quem é importante transmitir o testemunho de quem enfrentou a adversidade ombro a ombro”.

“Fazemos um reconhecimento de todos os que, pela sua ação na defesa de Portugal, sofreram no corpo e na alma o preço do dever cumprido. Estes combatentes são merecedores de todo o nosso respeito. Foi um esforço tamanho da nação. Foram anos de incorporações sucessivas envolvendo cerca de um milhão de jovens de todas as regiões do país e que de forma exemplar cumpriram a sua missão por terras além-mar”, afirmou.

Manifestou ainda apreço por “todos os ex-combatentes deste país, e em particular aos que nasceram e vivem na região Oeste”. “A vossa geração criou também as condições para que Portugal seja um país democrático, mais livre, mais solidário e mais aberto ao mundo”, acrescentou o coronel Monteiro Sardinha.

E concluiu dizendo que os ex-combatentes “são fonte de motivação para os mais jovens, que tendo crescido num ambiente de maior conforto e de paz, enfrentam o futuro num mundo incerto onde as crises e os conflitos não deixam de ser constantes. Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais para o futuro do país como a mesma coragem, desprendimento e determinação que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar”.

Após a entrega das medalhas houve um desfile dos militares da ESE e um almoço convívio, onde participaram os galardoados e suas famílias, e oficiais e alunos da escola.

Testemunhos

Henrique Silva, 72 anos – Angola 1965-1968

“É um reconhecimento ter recebido a medalha. Já há muito tempo que não assistia a cerimónias militares e gostei. Tenho bons, maus e péssimos momentos para recordar. Ainda tivemos um morto na minha companhia – a 1476. Estive em várias zonas, como Santo António do Zaire, Ambriz, Ambrizete e Bessa Monteiro. Era 1º cabo mecânico de armamento. Não sofri ferimentos, apesar de ter estado dezenas de vezes debaixo de fogo. Era o prato do dia. Não segui a carreira militar. Regressei a Alcobaça e fui empregado fabril na SPAL”.

Joaquim Santos, 73 anos – Angola 1965-1967

“Sinto uma grande honra e orgulho com esta medalha. Estou muito contente e é uma vitória interior. Estive no norte de Angola, a cem quilómetros de São Salvador do Congo. Era 1º cabo atirador. Estávamos isolados e tudo que aparecia do arame farpado para fora era para matar. Estivemos sob fogo e não sei se matei alguém, mas rastos de sangue apareceram bastantes. Vi alguns colegas feridos, mortos não. Quando regressei a Portugal voltei para o trabalho que tinha, que era pintor da construção civil em Alcobaça”.

Raúl Escolástico, 68 anos – Angola 1970-1972

“Gostei de receber a medalha. Foi bom. Estive no Batalhão de Caçadores 2910 como 1º cabo enfermeiro. Em Vale do Loge, quando saíamos para a picada fomos bastantes vezes atacados. Não vi mortos, mas feridos vi muitos. Aleijaram-se uns quantos colegas. Eu nem ferido nem nunca tive uma doença lá, o que é fantástico, mas curei muitos. Gostava de voltar à zona onde estive. Se o Estado fizesse uma excursão eu ia. Tenho pena de não ter seguido a carreira militar. Tenho um restaurante na Nazaré, junto ao mercado”

Condecorados

Foram condecorados com a “Medalha Comemorativa das Campanhas” os seguintes ex-militares:

Furriel Miliciano Carlos Manuel Viola Gonçalves – Guiné 1967-1969

Furriel Miliciano António Joaquim Carinhas Marques – Moçambique 1970-1973

1º Cabo Manuel António Sampaio – Angola 1963-1967

1º Cabo Henrique Pereira da Silva – Angola 1965-1968

1º Cabo Joaquim Francisco Vicente dos Santos – Angola 1965-1967

1º Cabo José Bruno Gaspar Vidal – Moçambique 1966-1968

1º Cabo Raúl Sousinha Escolástico – Angola 1970-1972

1º Cabo António Martins Delgado – Guiné 1971-1973

Soldado Fernando da Conceição Maria – Guiné 1961-1963

Soldado António Inácio de Sousa – Guiné 1967-1969

Soldado António Fernandes Machado – Guiné 1968-1970

Soldado João de Matos Antunes – Angola 1968-1970

Soldado Joaquim José Piseiro Garcia – Guiné 1969-1971

Soldado Edmundo Joaquim Honório de Sousa – Moçambique 1972-1974

Soldado Francisco Vendeiro Machado – Moçambique 1973-1975

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Procura de bilhetes para ver Miguel Araújo obriga a sessão extra no CCC

O músico e compositor Miguel Araújo atua no Grande Auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha no dia 11 de março, às 21h30, mas devido à grande procura de bilhetes, que levou a considerar já lotação esgotada por existirem apenas quinze lugares livres nos camarotes e um na tribuna (dados de 26 de janeiro), foi marcada uma sessão extra, no mesmo dia, às 18h, para a qual já se está prestes a atingir meia casa preenchida.

miguel 1

Masters de Óbidos em 3º no Open de Alcobaça

Decorreu nas piscinas municipais de Alcobaça, no dia 20 de janeiro, o I Open de Masters de Alcobaça. Os masters do clube Óbidos Criativa estiveram presentes, tendo conquistado vários pódios. Daniel Tomás, Vanessa Inácio e Susan Warnock ficaram em 1º lugar nas suas...

masters 1

Centro Paroquial ajudado pela Mercadona

A Mercadona, empresa de supermercados, doou 1.900 toneladas de bens de primeira necessidade em 2022 a mais de 70 entidades de cariz social, entre as quais bancos alimentares, instituições particulares de solidariedade social e organizações não governamentais com as...