Q

Previsão do tempo

18° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 19° C
18° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 19° C
19° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 20° C

Quinze ex-combatentes no Ultramar receberam medalhas

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quinze ex-militares que estiveram na guerra no Ultramar receberam condecorações no passado dia 5, numa cerimónia realizada na Escola de Sargentos do Exército (ESE), nas Caldas da Rainha, onde esteve o presidente da Direção Central da Liga dos Combatentes, tenente-general Chito Rodrigues.
Imposição de condecorações

A sessão incluiu uma cerimónia de boas-vindas pelo comandante da ESE, coronel Monteiro Sardinha, visita às instalações, missa na capela da ESE e formatura geral na parada, onde foram entregues as condecorações.

No seu discurso, o comandante da ESE salientou “o justo reconhecimento àqueles que, de uma forma exemplar, cumpriram a missão que lhes foi atribuída”, referindo ainda o “exemplo que constitui para as gerações mais novas, para quem é importante transmitir o testemunho de quem enfrentou a adversidade ombro a ombro”.

“Fazemos um reconhecimento de todos os que, pela sua ação na defesa de Portugal, sofreram no corpo e na alma o preço do dever cumprido. Estes combatentes são merecedores de todo o nosso respeito. Foi um esforço tamanho da nação. Foram anos de incorporações sucessivas envolvendo cerca de um milhão de jovens de todas as regiões do país e que de forma exemplar cumpriram a sua missão por terras além-mar”, afirmou.

Manifestou ainda apreço por “todos os ex-combatentes deste país, e em particular aos que nasceram e vivem na região Oeste”. “A vossa geração criou também as condições para que Portugal seja um país democrático, mais livre, mais solidário e mais aberto ao mundo”, acrescentou o coronel Monteiro Sardinha.

E concluiu dizendo que os ex-combatentes “são fonte de motivação para os mais jovens, que tendo crescido num ambiente de maior conforto e de paz, enfrentam o futuro num mundo incerto onde as crises e os conflitos não deixam de ser constantes. Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais para o futuro do país como a mesma coragem, desprendimento e determinação que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar”.

Após a entrega das medalhas houve um desfile dos militares da ESE e um almoço convívio, onde participaram os galardoados e suas famílias, e oficiais e alunos da escola.

Testemunhos

Henrique Silva, 72 anos – Angola 1965-1968

“É um reconhecimento ter recebido a medalha. Já há muito tempo que não assistia a cerimónias militares e gostei. Tenho bons, maus e péssimos momentos para recordar. Ainda tivemos um morto na minha companhia – a 1476. Estive em várias zonas, como Santo António do Zaire, Ambriz, Ambrizete e Bessa Monteiro. Era 1º cabo mecânico de armamento. Não sofri ferimentos, apesar de ter estado dezenas de vezes debaixo de fogo. Era o prato do dia. Não segui a carreira militar. Regressei a Alcobaça e fui empregado fabril na SPAL”.

Joaquim Santos, 73 anos – Angola 1965-1967

“Sinto uma grande honra e orgulho com esta medalha. Estou muito contente e é uma vitória interior. Estive no norte de Angola, a cem quilómetros de São Salvador do Congo. Era 1º cabo atirador. Estávamos isolados e tudo que aparecia do arame farpado para fora era para matar. Estivemos sob fogo e não sei se matei alguém, mas rastos de sangue apareceram bastantes. Vi alguns colegas feridos, mortos não. Quando regressei a Portugal voltei para o trabalho que tinha, que era pintor da construção civil em Alcobaça”.

Raúl Escolástico, 68 anos – Angola 1970-1972

“Gostei de receber a medalha. Foi bom. Estive no Batalhão de Caçadores 2910 como 1º cabo enfermeiro. Em Vale do Loge, quando saíamos para a picada fomos bastantes vezes atacados. Não vi mortos, mas feridos vi muitos. Aleijaram-se uns quantos colegas. Eu nem ferido nem nunca tive uma doença lá, o que é fantástico, mas curei muitos. Gostava de voltar à zona onde estive. Se o Estado fizesse uma excursão eu ia. Tenho pena de não ter seguido a carreira militar. Tenho um restaurante na Nazaré, junto ao mercado”

Condecorados

Foram condecorados com a “Medalha Comemorativa das Campanhas” os seguintes ex-militares:

Furriel Miliciano Carlos Manuel Viola Gonçalves – Guiné 1967-1969

Furriel Miliciano António Joaquim Carinhas Marques – Moçambique 1970-1973

1º Cabo Manuel António Sampaio – Angola 1963-1967

1º Cabo Henrique Pereira da Silva – Angola 1965-1968

1º Cabo Joaquim Francisco Vicente dos Santos – Angola 1965-1967

1º Cabo José Bruno Gaspar Vidal – Moçambique 1966-1968

1º Cabo Raúl Sousinha Escolástico – Angola 1970-1972

1º Cabo António Martins Delgado – Guiné 1971-1973

Soldado Fernando da Conceição Maria – Guiné 1961-1963

Soldado António Inácio de Sousa – Guiné 1967-1969

Soldado António Fernandes Machado – Guiné 1968-1970

Soldado João de Matos Antunes – Angola 1968-1970

Soldado Joaquim José Piseiro Garcia – Guiné 1969-1971

Soldado Edmundo Joaquim Honório de Sousa – Moçambique 1972-1974

Soldado Francisco Vendeiro Machado – Moçambique 1973-1975

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Innovation Makers finalista dos Prémios Heróis Pme

A Yunit Consulting, consultora portuguesa que tem como missão “fazer grandes as PME”, divulgou as empresas finalistas da 6ª edição dos Prémios Heróis PME, eleitas por votação do público.

Janela Digital distinguida

Pelo segundo ano consecutivo, a empresa Janela Digital, sediada no Parque Tecnológico de Óbidos e dedicada a soluções tecnológicas para o mercado imobiliário, foi distinguida na categoria de comunicação com o Estatuto Inovadora COTEC 2024.

Evento solidário com o Brasil

O evento solidário Arraiá Brasil, em prol das vítimas de inundações de Rio Grande do Sul, vai ter lugar no dia 6 de julho, às 18h00, na associação Areco, no Coto.

arraial