Q

Previsão do tempo

8° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
8° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
8° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 11° C
Sessão do Bloco de Esquerda de Caldas da Rainha

“A economia está condenada sobre o qual não é possível fazer milagres”

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“O que traz este orçamento? O que quer o Bloco?”, foi o tema do debate promovido pelo Bloco de Esquerda (BE), na passada quinta-feira, no salão da união de freguesias de Caldas da Rainha – Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório. A sessão contou com a intervenção de Jorge Costa, membro da Mesa Nacional e da Comissão Política do BE, e de Heitor Sousa, deputado do distrito, que falaram sobre as questões do orçamento para este ano.
Lino Romão, Jorge Costa e Heitor Sousa na sessão pública promovida pelo BE caldense

Numa sala cheia de militantes do partido, Jorge Costa sublinhou a importância da vitória para o BE nas últimas eleições, pois viabilizou duas situações: a utilização do voto “com vista a uma mudança de ciclo, depois da má experiência com José Sócrates” e a “derrota dos resultados da direita”.

“Nestas eleições conseguimos esta dupla vitória, que foi não deixar a direita ganhar e não deixar que o PSD tivesse tantos votos para fazer uma aliança com o PS mais uma vez”, explicou Jorge Costa, possibilitando um processo de diálogo entre os socialistas e os partidos de esquerda. Esse acordo político permitiu que o Orçamento de Estado marcasse a “inversão do ciclo da pobreza”.

“O BE não quer orçamentos que sirvam para fazer novos cortes nos salários e nas pensões, e ainda impor mais impostos sobre os rendimentos e taxar abusivamente os meios de primeira necessidade”, sublinhou Jorge Costa, adiantando que a maioria das medidas aprovadas para este orçamento era já prevista pelo BE antes do acordo. Dentro dessas medidas, destacou a atualização do salário mínimo de 5% ao ano, a reposição dos cortes feitos na função pública, o fim do congelamento das pensões, a recuperação de algumas medidas dedicadas ao apoio social e o acesso automático à tarifa da energia.

O responsável também mencionou que o complemento solidário para idosos, os escalões do abono de família, os benefícios para as pessoas com deficiência e o acesso às deduções fiscais, como exemplos de alguns avanços previstos para os próximos orçamentos.

Sobre o “ataque das instituições europeias que este governo tem sofrido ao longo das negociações para o orçamento”, Jorge Costa caracterizou-o como “uma chantagem muito forte que vai continuar nos próximos meses”. No entanto, realçou que neste momento o principal debate é sobre o plano nacional das reformas, em que o Partido Socialista continua apresentar ”medidas muito vagas e de pouco conteúdo”.

Para o BE, com os “condicionamentos todos que o país tem, não há margem nem manobra financeira para criar políticas alternativas”. Por outro lado, alertou que o “sistema de saúde está estagnado e sem investimento, a educação no limiar da perda orçamental e o regime de penúria dos serviços sociais essenciais”, são exemplos que vão continuar “enquanto Portugal estiver subordinado à regra de pagar oito mil milhões de euros de juros da dívida pública, todos os anos”.

“A economia está condenada e não é possível fazer milagres”, frisou Jorge Costa, acrescentando que é nesta dinâmica política que “percebemos que sem uma mudança profunda e uma relação reconstituída com a União Europeia, a partir da renegociação da dívida, não vai haver as mudanças de fundo que tanto o país precisa”.

A Linha do Oeste e um novo hospital

Heitor Sousa referiu que a requalificação da Linha Ferroviária do Oeste “desapareceu do orçamento”, pois não faz parte das prioridades políticas deste governo.

Segundo Heitor Sousa, “não significa que vamos abdicar da defesa destes projetos e estou convencido que a requalificação da linha vai ser levada até ao fim”.

“Não vamos abandonar a ideia de um projeto de requalificação integral da linha do oeste”, sublinhou Heitor Sousa, pois está convencido que a “urgência da requalificação da linha vai obrigar o governo a reconhecer a sua melhoria até 2020”.

Para o deputado do BE, o mesmo pode acontecer para outros projetos que têm interesse para o distrito, como é o caso da integração do Hospital Termal no serviço nacional de saúde e a sua requalificação, e ainda a ideia de construção de um novo hospital.

“Espera-se que este primeiro ano de actividade seja uma alavancagem do investimento público para projetos que fazem falta para a região oeste norte”, referiu.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

PSP combate criminalidade em bares e ruas no centro das Caldas

Uma operação desenvolvida pela PSP das Caldas da Rainha na noite da passada sexta-feira e madrugada de sábado, tendo como alvo bares no centro da cidade e ruas nas proximidades, com o objetivo de “prevenir a criminalidade violenta e grave ou organizada e aumentar o sentimento de segurança na população”, originou a detenção de quatro homens, com idades entre 21 e 28 anos, pelos crimes de tráfico de droga, posse de arma proibida e condução em estado de embriaguez.

psp1

Lions formaliza entrega de verba de espetáculo solidário

O Lions Clube das Caldas da Rainha fez no passado dia 30 uma entrega formal ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) da verba apurada no concerto solidário com o maestro e pianista António Victorino d’Almeida e trio de Pedro Caldeira Cabral....

lions

Desfile equestre apresentou reis do carnaval das Caldas

Luís Ventura, de 47 anos, e Mariana Mortágua, de 22 anos, foram escolhidos para serem os reis do carnaval das Caldas da Rainha, encarnando as personagens Zé Povinho e Maria da Paciência, respetivamente, criações de Rafael Bordalo Pinheiro como caricaturas do povo português.

reis00