Q

Previsão do tempo

14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 27° C
14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 24° C
  • Sunday 27° C
14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 29° C

Exposição no Céu de Vidro junta talento caldense e aveirense

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Durante seis dias, duas artistas formadas na Escola Superior de Arte de Design das Caldas da Rainha (ESAD.CR), Daniela da Silva Ferreira e Marisa Maia Tavares, juntaram-se para expor as suas obras numa única exposição, “Aseptanimus”, no Céu de Vidro, onde a escultura, a instalação, a luz, os animais mitológicos e as identidades interpessoais fizeram parte. Esta mostra contou com a parceria do Silos Contentor Criativo e da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e S. Gregório.
Daniela Ferreira e Marisa Tavares, autoras da exposição

Vinte peças espalhadas por uma das salas da ex-Casa de Cultura tinham o objetivo de ser “um circuito, onde um cosmo é teletransportado para o espaço físico com passaporte para o infinito. Uma proposta para abrir e conectar o inconsciente, os sonhos e a mente”.

As autoras conheceram-se durante a licenciatura na ESAD.CR e realizaram Eramus na Academia de Belas Artes de Veneza. “Após quatro anos a viver em Itália, decidi partilhar com a Marisa o meu desejo de fazer uma exposição na minha cidade”, explicou a caldense Daniela Ferreira, de 27 anos, sublinhando que “apesar de serem trabalhos diferentes, ambos conectam-se”.

”A luz, a escultura e a instalação são três elementos muitos importantes nesta mostra”, disse a caldense, pois tudo gira à volta do “positivo e do negativo, da morte e da vida”.

As suas dez peças possuem uma variedade de matérias, com elementos animais, como cornos e vertebras, juntamente com elementos arqueológicos e do quotidiano (madeira, pedra, metal), inserido num espaço grotesco, “bem diferente de um espaço museológico, que reforça a questão arqueológica e mitológica”. Cada intervenção tem uma leitura artística específica, onde existe “uma relação entre o natural e o que não é natural, a relação entre a vida e o universo, o antes da vida e depois da vida”.

A caldense é licenciada em Design de Cerâmica e Vidro pela ESAD.CR e pós-graduada em Escultura pela Accademia di Belle Arti di Venezia. Atualmente vive em Veneza, local onde colabora com vários projetos fotográficos e performativos e ainda trabalha na Bienal de Arquitetura de Veneza, que se realiza no mês de maio. Além disso, conta com a publicação individual do livro Retalhos e diversas participações coletivas em parceria com a Chiado Editora, Punto Marte e Moleskine.

“Quando terminei a licenciatura inscrevi-me no mestrado de Artes Plásticas, mas apercebi-me que precisava de mais e decidi sair”, disse ao JORNAL DAS CALDAS a caldense, que optou por “pegar nas malas” e ir fazer vida para Veneza, “cidade que já conhecia”. Agora a artista sente-se satisfeita com a decisão, pois “foi um ato muito importante a nível profissional, que abriu-me diversas portas”.

“Todos os trabalhos que já realizei deram-me as bases e um upgrade fundamental para investir no meu trabalho”, sublinhou Daniela Ferreira, que tem um atelier em Veneza onde faz as suas esculturas.

O facto de colaborar com grandes artistas internacionais deu-lhe bagagem. ”Um dos objetivos foi esse, quis ir para fora para crescer como pessoa e como profissional”, relatou a artista, que sublinhou que neste momento, apesar das saudades da família, não tem a intenção de voltar a viver em Portugal. “Existem muitas coisas boas e diferentes lá fora, que ia ser um pecado ficar só naquilo que conheço”, adiantou. Como tal, aconselha a todos que querem trabalhar como artistas a fazer “um portfólio, de modo a criar nome e conotação num mundo real”. “Em Veneza consegui isso, que era a parte mais difícil, e continuo a acreditar nos meus trabalhos como acredito na minha vida a cem por cento”, concluiu a artista.

Artista residente nos Silos

Marisa Tavares, natural de Aveiro, é a outra artista responsável pela exposição, sendo formada em Artes Plásticas na ESAD.CR. Atualmente vive e trabalha nas Caldas da Rainha, onde é uma artista residente nos Silos Contentor Criativo.

Preferiu apresentar peças de instalação, feitas com raízes, tijolos, vidros, pedras e tecidos, de modo a retratar o momento do nascimento, complementado com luzes negras e cores fluorescentes. “As peças abordam a questão do nascimento, através da ligação aos cosmos”, explicou. Além disso, também apresenta um vídeo alusivo à criação de um microcosmos.

A artista também tem participado em outras mostras. No seu entender, “é importante haver espaços públicos onde possamos expor os nossos trabalhos, de modo a sair da zona de conforto, e seria importante levar esta exposição a outros pontos dos país e levar o nome da cidade para outros sítios”.

Nicola Henriques, responsável pelo projeto Silos – Contentor Criativo, também esteve presente na inauguração da exposição, e fez noar que a mostra pretende ser o início de um ciclo de exposições. “Há cinco anos que os Silos produzem conteúdo criativo, e este ano tem como mote a extensão à comunidade”, afirmou, acrescentando que os Silos são uma área “pouco explorada pelo cidadão comum”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

127 anos dos bombeiros festejados em cerimónia emotiva

A cerimónia do 127º aniversário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários das Caldas da Rainha, realizada no passado domingo, foi bastante emotiva, pela passagem ao quadro de honra de dois bombeiros, pelas promoções, condecorações e louvores, pela transferência de testemunho do porta-estandarte, pela atribuição de patrono a duas viaturas, pelo elogio ao comandante de Pedrógão Grande, mas sobretudo por ter sido lembrada a morte de um bombeiro da corporação vizinha de Óbidos no maior incêndio ocorrido este ano nas Caldas da Rainha.

bombeiros1

Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste – Fábio Romano – 18 valores

Fábio Romano, de 33 anos, aluno da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, do curso de Gestão e Produção de Cozinha, foi o melhor aluno com uma classificação de 18 valores (correspondendo aos dois primeiros semestres. Encontra-se a aguardar a nota de estágio curricular, que irá ainda integrar esta média).

img 6552 2 fabio romano