Q

Previsão do tempo

17° C
  • Wednesday 19° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 20° C
18° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 20° C
18° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 21° C

Exposição no Céu de Vidro junta talento caldense e aveirense

Mariana Martinho
8 de Março, 2016
Durante seis dias, duas artistas formadas na Escola Superior de Arte de Design das Caldas da Rainha (ESAD.CR), Daniela da Silva Ferreira e Marisa Maia Tavares, juntaram-se para expor as suas obras numa única exposição, “Aseptanimus”, no Céu de Vidro, onde a escultura, a instalação, a luz, os animais mitológicos e as identidades interpessoais fizeram parte. Esta mostra contou com a parceria do Silos Contentor Criativo e da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e S. Gregório.
Daniela Ferreira e Marisa Tavares, autoras da exposição

Vinte peças espalhadas por uma das salas da ex-Casa de Cultura tinham o objetivo de ser “um circuito, onde um cosmo é teletransportado para o espaço físico com passaporte para o infinito. Uma proposta para abrir e conectar o inconsciente, os sonhos e a mente”.

As autoras conheceram-se durante a licenciatura na ESAD.CR e realizaram Eramus na Academia de Belas Artes de Veneza. “Após quatro anos a viver em Itália, decidi partilhar com a Marisa o meu desejo de fazer uma exposição na minha cidade”, explicou a caldense Daniela Ferreira, de 27 anos, sublinhando que “apesar de serem trabalhos diferentes, ambos conectam-se”.

”A luz, a escultura e a instalação são três elementos muitos importantes nesta mostra”, disse a caldense, pois tudo gira à volta do “positivo e do negativo, da morte e da vida”.

As suas dez peças possuem uma variedade de matérias, com elementos animais, como cornos e vertebras, juntamente com elementos arqueológicos e do quotidiano (madeira, pedra, metal), inserido num espaço grotesco, “bem diferente de um espaço museológico, que reforça a questão arqueológica e mitológica”. Cada intervenção tem uma leitura artística específica, onde existe “uma relação entre o natural e o que não é natural, a relação entre a vida e o universo, o antes da vida e depois da vida”.

A caldense é licenciada em Design de Cerâmica e Vidro pela ESAD.CR e pós-graduada em Escultura pela Accademia di Belle Arti di Venezia. Atualmente vive em Veneza, local onde colabora com vários projetos fotográficos e performativos e ainda trabalha na Bienal de Arquitetura de Veneza, que se realiza no mês de maio. Além disso, conta com a publicação individual do livro Retalhos e diversas participações coletivas em parceria com a Chiado Editora, Punto Marte e Moleskine.

“Quando terminei a licenciatura inscrevi-me no mestrado de Artes Plásticas, mas apercebi-me que precisava de mais e decidi sair”, disse ao JORNAL DAS CALDAS a caldense, que optou por “pegar nas malas” e ir fazer vida para Veneza, “cidade que já conhecia”. Agora a artista sente-se satisfeita com a decisão, pois “foi um ato muito importante a nível profissional, que abriu-me diversas portas”.

“Todos os trabalhos que já realizei deram-me as bases e um upgrade fundamental para investir no meu trabalho”, sublinhou Daniela Ferreira, que tem um atelier em Veneza onde faz as suas esculturas.

O facto de colaborar com grandes artistas internacionais deu-lhe bagagem. ”Um dos objetivos foi esse, quis ir para fora para crescer como pessoa e como profissional”, relatou a artista, que sublinhou que neste momento, apesar das saudades da família, não tem a intenção de voltar a viver em Portugal. “Existem muitas coisas boas e diferentes lá fora, que ia ser um pecado ficar só naquilo que conheço”, adiantou. Como tal, aconselha a todos que querem trabalhar como artistas a fazer “um portfólio, de modo a criar nome e conotação num mundo real”. “Em Veneza consegui isso, que era a parte mais difícil, e continuo a acreditar nos meus trabalhos como acredito na minha vida a cem por cento”, concluiu a artista.

Artista residente nos Silos

Marisa Tavares, natural de Aveiro, é a outra artista responsável pela exposição, sendo formada em Artes Plásticas na ESAD.CR. Atualmente vive e trabalha nas Caldas da Rainha, onde é uma artista residente nos Silos Contentor Criativo.

Preferiu apresentar peças de instalação, feitas com raízes, tijolos, vidros, pedras e tecidos, de modo a retratar o momento do nascimento, complementado com luzes negras e cores fluorescentes. “As peças abordam a questão do nascimento, através da ligação aos cosmos”, explicou. Além disso, também apresenta um vídeo alusivo à criação de um microcosmos.

A artista também tem participado em outras mostras. No seu entender, “é importante haver espaços públicos onde possamos expor os nossos trabalhos, de modo a sair da zona de conforto, e seria importante levar esta exposição a outros pontos dos país e levar o nome da cidade para outros sítios”.

Nicola Henriques, responsável pelo projeto Silos – Contentor Criativo, também esteve presente na inauguração da exposição, e fez noar que a mostra pretende ser o início de um ciclo de exposições. “Há cinco anos que os Silos produzem conteúdo criativo, e este ano tem como mote a extensão à comunidade”, afirmou, acrescentando que os Silos são uma área “pouco explorada pelo cidadão comum”.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Espaço AbraçAr-te abre portas

O Espaço AbraçAr-te, na Rua Principal, nº 56, em Mata de Porto Mouro, Santa Catarina, nas Caldas da Rainha, abre portas com o espetáculo Raiz, numa criação de Daniel Seabra e Mafalda Gonçalves, e música de Miguel De.

FOLIO considerado “um ponto obrigatório no roteiro dos escritores”

O FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos regressou na passada quinta-feira às ruas da vila, numa edição dedicada a “O Outro”. O evento, que termina no próximo domingo e que conta com 175 autores e escritores presentes em 161 atividades, entre as quais 16 mesas de autor e debates, 23 concertos e 12 exposições, foi “o primeiro evento, desde o início da pandemia, que nos uniu à volta do que é o mais importante nas nossas vidas: a literatura”.

folio1

Atribuição de 75 bolsas de estudo nas Caldas

Decorre até 12 de novembro o prazo para apresentação das candidaturas para atribuição de 75 bolsas de estudo, no valor unitário de 800 euros, relativas ao ano letivo 2021/2022, destinadas a alunos oriundos de agregados familiares carenciados que pretendam prosseguir estudos em estabelecimentos de ensino superior sediados fora do concelho das Caldas da Rainha.

pexels stanley morales 3186386