Q

Previsão do tempo

11° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 10° C
10° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 10° C
9° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 14° C
  • Thursday 9° C

Bordado das Caldas em exposição no Museu José Malhoa

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O historiador Mário Tavares e Idalina Lameiras, autores do pequeno livro “Bordado das Caldas ou Bordado da Rainha Dona Leonor”, foram os convidados para inaugurar a exposição ”O Bordado das Caldas da Rainha vai ao Museu”, no passado dia 13, no Museu José Malhoa.
Mário Tavares e Idalina Lameiras, autores do pequeno livro “Bordado das Caldas ou Bordado da Rainha D. Leonor”

Embaixadores das Caldas e do seu bordado, foram os principais oradores no encontro cultural transnacional que decorreu há três anos no Mercado Internacional de Rendas e Bordados, em Panicale, Itália, dedicado à história e à comparação/semelhanças entre o ponto italiano (Ponto Umbro de Sorbello ou Português da Marquesa Romeyne Ranieri de Sorbello) e o Bordado das Caldas.

Ao som do piano com Maria Rodrigues, o historiador falou sobre a origem e história do bordado das Caldas, sublinhando a importância da pesquisa e da troca de conhecimentos. ”O livro chegou a vários sítios como Itália, onde uma investigadora e expert italiana em artes decorativas, Geneviève Porpora, deslocou-se ao museu das Caldas com o objetivo de encontrar explicações para as semelhanças que reconheceu existirem entre o referido bordado daquela região da Itália e o bordado das Caldas”, relatou.

Mário Tavares recordou o folheto datado do início dos anos vinte do século passado, da escola de Pischiello, fundada em Passigmano, no Trasimeno, em 1904, pela Marquesa Romeyne Ranieri de Sorbello, onde o Ponto Umbro aparece também denominado como “português”. Segundo o mesmo, os resultados dessa pesquisa foram publicados num livro, que foi apresentado durante o certame em Panicale. Esta publicação, cuja introdução foi escrita por Mário Tavares, traz imagens das Caldas da Rainha e dos seus bordados e explica de que forma o ponto italiano se cruza com o nosso bordado e com a sua própria história. ?O professor caldense também sugeriu que “entre a região italiana e as Caldas, no século XIX, possivelmente poderão ter havido contactos justificativos da difusão de gostos e saberes que correlacionaram ambos os bordados”.

Revelou ainda que a antropóloga italiana colocou a hipótese da “Marquesa de Sorbello de ter frequentado as termas caldenses e tomado conhecimento do bordado local, importando a sua influência para Itália. Daí a denominação de punto portughese”. Igualmente partilhou algumas palavras sobre o seu renascimento, na Escola Rafael Bordalo Pinheiro, sendo uma “bela manifestação cultural e popular que se tem mantido e passado de geração em geração, graças à realização de cursos profissionalizantes”. Focou ainda as caraterísticas “pobres dos elementos de confeção”, dos estilos e técnicas.

De acordo com Idalina Lameiras, especialista em bordados e rendas, a composição de vários elementos que revestem a Igreja da Nossa Senhora do Pópulo são “uma fonte de inspiração”. Embora “pouco divulgado, entre Portugal e ilhas, contam-se 29 bordados regionais”.

“O bordado das Caldas é feito de linho, não técnico, com cores douradas e terminação em franja de diversas texturas, executadas em tear manual, rendas de bilros e bainhas dos próprios trabalhos”, adiantou a especialista, salientando os cursos de formação feminina na escola, onde era aprendida a técnica.

“Temos andado sempre a movimentar para que a técnica não morra”, frisou Idalina Lameiras, destacando o incentivo dos bordados nas aulas das turmas de artes. Para terminar, sublinhou que “o nosso bordado, com cinco séculos de história, continua a ser dos regionais portugueses o mais sóbrio e filigranado, semelhante aos bordados indianos”.

Questionado sobre o Núcleo de Bordadeiras das Caldas da Rainha, com espaço na Expoeste, incorporado na Associação Industrial da Região Oeste (AIRO), o vereador Hugo Oliveira, disse que a constituição da associação encontra-se perto de estar concluída.

Esta exposição com exemplos do bordado sobre linho grosso, também conhecido por bordado “Rainha D. Leonor”, encontra-se aberta ao público até ao dia 3 de março, com entradas gratuitas.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Colisão entre dois carros mata duas mulheres e fere outra

Mãe e filha morreram e outra mulher sofreu ferimentos ligeiros num choque frontal entre dois carros, na manhã deste domingo, na estrada onde se localiza a central fruteira Frutalvor, junto ao cruzamento para os Infantes, nas Caldas da Rainha.

acidente

Voleibol feminino de Óbidos em jogo treino

As equipas femininas de voleibol da Associação Desportiva de Óbidos levaram a cabo um jogo treino, na passada quarta-feira, em Óbidos, no Pavilhão Municipal, contra o Sport Operário Marinhense, da Marinha Grande.

voleibol