Q

Previsão do tempo

20° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 22° C
20° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 23° C
20° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 24° C
  • Wednesday 25° C
João Rucha Pereira na sessão 21 às 21

“O Estado Islâmico está a provocar este número de refugiados”

Mariana Martinho
27 de Janeiro, 2016
“Conflitos, terrorismo e refugiados” foi o tema da palestra de mais uma sessão 21 às 21, organizada pelo Movimento Viver o Concelho (MVC), na passada quinta-feira. O convidado João Rucha Pereira, criminalista, mestre em psicologia criminal, membro dos mais prestigiados organismos nacionais e internacionais e professor universitário, decidiu percorrer a história dos conflitos internacionais, das origens à atualidade.
Emanuel Pontes, do MVC e João Rucha, criminalista

A sala da União de Freguesias Nª Sra. do Pópulo, Coto e S. Gregório encontrava-se menos cheia do que é habitual. As cerca de 15 pessoas que se juntaram na sede ouviram o criminalista falar sobre a situação dos conflitos na região da Síria e ainda sobre o Estado Islâmico.

”Hoje em dia existem trinta regiões no mundo onde ocorrem conflitos armados, sobretudo na região do Iraque e da Síria”, afirmou João Rucha, sublinhando que a forma ideal para atingir a paz era através da “resolução pacífica entre estados”. No entanto, existe “um jogo de interesses geoestratégicos e geopolíticos ligados” aos conflitos.

“Quando há guerra, acaba por provocar atos de terrorismo, isso por sua vez, leva aos refugiados”, comentou o criminalista, dando como exemplo o caso do Iraque. “Em vez de juntar os representantes e propor um governo de salvação nacional, os americanos instauraram um governo cozinhado, com muitos interesses à mistura”, criticou.

Durante a sessão não poupou críticas à atitude dos políticos, pois “deviam de se preocupar em estudar a melhor forma para a resolução dos conflitos”. Como tal, falou do caso do Estado Islâmico.“Eles não são Estado nem islâmicos. São um grupo com fins políticos que tira proveito da religião à maneira deles, com crenças e estratégias cuidadosamente pensadas, para difundir os seus ideais e atingir os seus objetivos”, sublinhou o orador, acrescentado que em cinco anos de guerra, já causaram 220 mil mortos e milhões de refugiados.

“O Estado Islâmico com estas ações todas está a provocar este número de refugiados”, apontou o professor universitário.

Nos últimos dez anos, o número de refugiados tem” vindo a piorar”, pois, só em 2014, houve um registo de 60 milhões de refugiados, vindos da Síria e do Iraque. Também salientou que no ano passado, no período entre janeiro a agosto, morreram cerca de 2500 refugiados, na “tentativa de uma vida melhor”. “Este problema já existia em 1999, mas atualmente é mais grave”, afirmou o convidado.

Igualmente salientou a forma como os países de acolhimento integram os refugiados. “Na Europa não fazemos inclusão social, fazemos exclusão social”, sublinhou, apontando que “colocam-se estas pessoas em guetos, favorecendo a formação de grupos muitas vezes radicais”. “Os políticos têm de aprender a fazer inclusão social, de forma a integrá-los a sério”, frisou. Também falou da crise de valores entre os homens, sendo o “caldo ideal para o Estado Islâmico recrutar voluntários”. Outro problema abordado pelo criminalista foi a falta de investimento dos políticos na prevenção, de forma a se evitarem mais ataques terroristas.

Para o convidado, o problema precisa de uma “intervenção urgente das instituições internacionais” para evitarem mais mortes.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Deputados interrogam ministra sobre carências nas extensões de saúde

Os deputados do PSD na Assembleia da República Hugo Oliveira, Margarida Balseiro Lopes, Pedro Roque, Olga Silvestre e João Marques denunciaram “graves carências de funcionamento” das extensões de saúde de Santa Catarina, Rostos e A-dos-Francos, no concelho das Caldas da Rainha, tendo questionado a ministra da tutela sobre diversas situações.

deputados

Condução perigosa na A8 entre Tornada e Caldas

A zona da A8 entre Tornada e Caldas da Rainha está referenciada pelo Destacamento de Trânsito (DT) de Leiria da GNR como palco de condução perigosa, tendo levado à detenção de alguns condutores ao longo do último mês.

corridas