Q

Previsão do tempo

14° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 19° C
14° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 20° C
13° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 20° C

CDS afirma que PSD não quis fazer parque de estacionamento na Praça da República

12 de Maio, 2015
O comunicado/resposta do PSD ao “Livro Negro da Regeneração Urbana”, publicado pelo CDS-PP das Caldas da Rainha, no qual é feita uma compilação de registos e críticas que ao longo do processo de regeneração urbana foi tornando públicos, merece por parte da concelhia do CDS uma reação, começando por esclarecer que “o PSD não quis fazer o parque de estacionamento na Praça da República, foi uma opção”.

“Perante os problemas agora evidentes naquela zona da cidade, em matéria de estacionamento e funcionalidade do espaço público, o PSD precisa de encontrar forma de se justificar perante a opinião pública e tentar descredibilizar a proposta oriunda da oposição”, manifesta.

O CDS-PP diz ter cumprido o seu “dever de partido da oposição atento e preocupado” e reconhece a impossibilidade de alterar o que quer que seja na Praça da República nos próximos anos. “Foi de facto uma oportunidade perdida, que confirma a falta de visão de futuro com que tem sido conduzida a cidade e o concelho”, sustenta.

De acordo com o CDS, “começa o comunicado do PSD por referir que o projeto de “regeneração urbana” foi aprovado em 3 de julho de 2009. Muito antes, vários cidadãos, militantes do próprio PSD e também do PS, defenderam a construção de um parque de estacionamento na Praça da República. E não se tratava de cidadãos ou militantes anónimos, mas de autarcas em pleno exercício das suas funções. Mesmo assim, o executivo do PSD decidiu intencionalmente ignorar”.

A proposta do CDS visava a criação de um parque de estacionamento de dois pisos para 250 lugares, sob o tabuleiro da Praça, assim como 100 arrecadações destinadas aos vendedores. “Resolvíamos assim o apoio ao comércio, à praça da fruta, ao turismo e íamos ao encontro da solução do estacionamento imprescindível para o repovoamento do centro desertificado”, indica o partido.

“Ao contrário do que é dito no comunicado do PSD, o CDS-PP não apresentou esta proposta já no início das obras da Praça. Fizemos a sua apresentação pública, exatamente no auditório da Câmara Municipal, no início de outubro de 2013, que pode ser confirmada pelos jornais locais, que lhe deram ampla relevância. As obras na Praça da República tiveram início em meados de janeiro de 2014”, esclarece o CDS.

Para o CDS, “os argumentos de negação” – “que não haveria tempo para aquela obra, sendo indicada como data limite para terminar todas as obras, o dia 31 de dezembro de 2014”, e que “existiriam no subsolo elementos arqueológicos que impediriam uma obra daquela natureza”, não podem ser aceites, porque “as obras continuam a decorrer em várias frentes pela cidade e foi referido pelo arqueólogo responsável que os achados eram provenientes de “entulho” da antiga capela que terá servido para enchimento do tabuleiro e respetiva construção”.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Pizza Hut abre na entrada sul da cidade

Abriu nesta terça-feira o 99º Pizza Hut em Portugal e o primeiro nas Caldas da Rainha, criando 25 postos de trabalho neste restaurante especializado em pizzas e massas cujo estabelecimento original surgiu nos Estados Unidos da América.

pizza hut1

Caldas venceu dérbi do Oeste

À sexta jornada, o Caldas Sport Clube impôs a primeira derrota ao Torreense, líder da Série B da Liga 3, com 13 pontos, vencendo no passado domingo, por 2-0. Somou o seu terceiro triunfo na competição, registando agora 10 pontos.

caldas1 1