Q

Previsão do tempo

18° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 22° C
18° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 23° C
18° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 24° C
  • Wednesday 25° C

Delegação das Caldas da Rainha do Sindicato dos Professores da Zona Centro (SPZCentro) insatisfeita com inicio de ano letivo

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Maria Fernanda Marques da delegação das Caldas da Rainha do Sindicato dos Professores da Zona Centro (SPZCentro), enviou um comunicado ao JORNAL DAS CALDAS denunciando a “forma inadmissível que os serviços responsáveis do MEC se tenham conformado com uma gestão dos diferentes momentos concursais para o ano letivo de 2014/2015, sem um cronograma público e publicitado”. “Esta atitude reveladora de uma falta de planificação, que se traduziu numa verdadeira navegação à vista demonstrou também que, para o Ministério da Educação, os docentes não são mais do que números, e que o seu direito inalienável a férias não passa de uma verdadeira quimera”, acrescenta o texto. Segundo, o SPZCentro, muitos docentes continuam sem ter a sua situação profissional definida e conhecido o local de exercício de funções. Com esta atitude o MEC está de acordo com o documento, “não só a desconsiderar os seus profissionais, que sendo também pais, mães, maridos e mulheres, têm família e têm o direito de atempadamente poder planificar a sua vida familiar e profissional, como também não revela preocupação com os efeitos que esta instabilidade irá provocar nos alunos”.

“Atentemos na pendência de muitas decisões de processos concursais dos docentes que viram o seu pedido de mobilidade por doença indeferido e para os quais não há resposta do MEC”. A que acrescem os educadores e professores que continuam a aguardar a comunicação da aceitação do seu pedido de rescisão e que inexplicavelmente e ao arrepio da lei, foram agora obrigados a concorrer. Bem como os colegas que se viram confrontados com a obrigação de realizar a famigerada PAAC, e que impedidos de a realizar por motivos alheios à sua vontade, não receberam até ao momento, do MEC qualquer tipo de informação.

“Ainda os Educadores e Professores integrados no índice 245 que se veem impedidos desde 2010 de serem posicionados no índice 272, por exclusiva violação da lei e que apesar de o MEC já lhes ter reconhecido o seu direito, continuam a não ver essa situação resolvida”.

Considera ainda o SPZCentro inaceitável que o “MEC, através dos seus Serviços Regionais DGEST, esteja a recusar as propostas de constituição de turmas do ensino secundário com 22 alunos em que existam alunos com Necessidades Educativas Especiais e a obrigar que as Escolas refaçam as turmas e passem a ser constituídas por 30 alunos”.“Ignorando todas as recomendações, nomeadamente a Declaração de Salamanca e os princípios subjacentes aos normativos aplicáveis à Educação Especial, a DGEST está a obrigar que as escolas estejam a violar as legítimas expectativas dos alunos, que necessitando de necessidades educativas especiais, vão ser integrados em turmas que os vão impedir de ter o acompanhamento necessário”.

Estando o Estado obrigado à prossecução de uma política global integrada, que permita responder à diversidade de características e necessidades de todos os alunos, ou seja implicado na inclusão das crianças e jovens com ( N.E.E.), tendo em vista o seu sucesso educativo, a DGEST com esta atitude está a agir em absoluta oposição.

O SPZCentro não aceita que, no quadro de uma escola inclusiva que pressupõe a individualização e personalização de estratégias educativas, o MEC através da DGEST, esteja intencionalmente a desprezar alunos com Necessidades Educativas Especiais, que têm e tinham direito a um acompanhamento que lhes permita promover competências e uma autonomia conducente a uma plena cidadania.

O Sindicato dos Professores não quer acreditar que por detrás desta medida estejam questões de ordem financeira, porque a ser assim estaremos reconduzidos a uma política que só tem comparação com os períodos mais negros da história da Humanidade, onde ser diferente era sinal de proscrição.

O, SPZCentro denuncia ainda a forma caótica como funcionou a aplicação informática disponibilizada para a Bolsa de Contratação de Escola, bem como, a forma também caótica como têm sido feitas as colocações dos docentes. “Vários professores para o mesmo horário, já para não falar nas colocações em horários fantasma”, diz o documento, acrescentando que “fantasmas”, porque as escolas não dispõem das horas para as quais veem os docentes colocados”.

É segundo este sindicato, inadmissível que o MEC não tenha atempadamente garantido uma plataforma estável e um tempo útil que permitisse aos docentes um concurso ponderado, obrigando os docentes a um stress injustificado.

Este início de ano escolar de 2014/2015 tem sido fértil em situações que só têm paralelo com os tempos já longínquos em que na 5 de Outubro estava instalado um MEC inoperante e à deriva que não conseguia iniciar o ano letivo atempadamente e com estabilidade.

O SPZCentro confrontado com todos estes acontecimentos não pode deixar de denunciar as iniquidades que eles contêm e exige que de uma vez por todas este quadro de inoperância, indefinição e injustiça se não repita.

“Uma educação pública de qualidade que defendemos, faz-se com professores motivados e empenhados. Esta atuação do MEC não contribui para esse objetivo e nessa medida tem a firme oposição do SPZCentro”, conclui o documento.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Quatro pessoas assistidas em acidente aparatoso

Um acidente envolvendo dois carros na Avenida Barata Feyo, junto ao hipermercado E.Leclerc, nas Caldas da Rainha, ocorreu neste domingo de manhã, levando quatro pessoas a serem assistidas pelas equipas pré-hospitalares dos bombeiros.

despiste1