Q

Previsão do tempo

23° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 23° C
23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 24° C
  • Saturday 23° C
24° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 25° C

Julgamento de homicídio adiado porque juiz entrou em licença de paternidade

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A família de um homem que morreu atropelado em 2012 está revoltada com o tempo que o caso está a demorar para começar a ser julgado e que foi agravado no dia 22 de abril – data marcada para o início do julgamento mas que foi adiada porque o juiz titular do processo entrou nessa altura em licença de paternidade por um mês sem ser substituído.
Caso diz respeito à morte de um homem atropelado no terminal rodoviário de Peniche

O juiz Luís Dias esteve até à hora do julgamento ao telefone com o Conselho Superior de Magistratura para tentar que fosse nomeado um substituto, mas aquele órgão considerou que o processo podia aguardar mais trinta dias, até o magistrado regressar e agendar nova data para iniciar as audiências.

“Tem estado demorado mas agora ainda vai atrasar mais, devido à situação do juiz”, lamentou Virgínia Correia, viúva da vítima, que aguarda que “se faça justiça”.

No banco dos réus senta-se Merima Daniela, 39 anos, de nacionalidade romena, motorista da Rodoviária do Tejo há vários anos, que, a 18 de julho de 2012, atropelou Adão Correia, 63 anos.

A condutora não se apercebeu da presença da vítima na altura em que fazia marcha-atrás no terminal de autocarros de Peniche. Adão Correia, que tinha saído do hospital onde tinha ido fazer análises e se preparava para regressar de autocarro à sua residência no Alto Foz, Atouguia da Baleia, foi arrastado e sofreu um traumatismo craniano e múltiplas fraturas. Foi transportado de novo ao hospital, onde acabou por morrer.

Servente de pedreiro reformado, Adão Correia dedicava-se a trabalhos agrícolas, que ajudavam o sustento da casa. A família da vítima pede a condenação da arguida, acusada do crime de homicídio por negligência simples.

“Não matou por querer mas acho que foi falta de cuidado. Quando deu o primeiro impulso para trás, terá dito que sentiu qualquer coisa atrás. Então devia ter ido ver e não continuar a recuar. Foi aí que acabou de o matar”, manifestou Virgínia Correia.

A arguida conta como testemunhas de defesa com alguns colegas da Rodoviária e tentará demonstrar que a vítima poderia não estar no local adequado aos passageiros em espera e que, por isso, não terá havido descuido.

Francisco Gomes

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Óbidos Criativa no Nacional de Masters com 14 pódios

O Clube de Natação Óbidos Criativa (OC) participou no Campeonato Nacional de Masters de Verão, realizado de 4 a 7 de julho no complexo de piscinas de São João da Madeira. Os nadadores de Óbidos alcançaram 14 pódios, com cada atleta a conquistar pelo menos um lugar no pódio.

Masters

Ministro assinala 100 dias de Governo no Cadaval

Para assinalar os primeiros 100 dias de governação, o PSD organizou, em todo o país, reuniões abertas aos militantes e simpatizantes, com a participação de um ministro. Foi neste contexto que, no passado dia 10, o ministro-adjunto da Coesão Territorial, Manuel Castro Almeida, esteve no Cadaval.

ministro