Q

Previsão do tempo

13° C
  • Friday 15° C
  • Saturday 14° C
  • Sunday 16° C
14° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 14° C
  • Sunday 16° C
14° C
  • Friday 16° C
  • Saturday 14° C
  • Sunday 17° C

2ª Edição do Bazar à Noite com o dobro dos participantes

Maria Marques (texto) Joana Marques (fotos) (foto Stephanie Antunes)

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
No passado sábado, 72 bancas (mais 32 do que na 1ª edição) encheram a Praça da Fruta para mais uma edição do Bazar à Noite. Filipe Santos, que integra a CR&ATIVA, uma plataforma informal de pessoas que discutem temas como a cultura urbana ou espaço público da cidade com o intuito de incluir projetos (sendo o Bazar à Noite o primeiro projeto já com 2 edições), confessou que “quando começámos a reunirmo-nos com este intuito nenhum de nós tinha como objetivo organizar mercados”. O formato de mercado surgiu para dar resposta a dois objetivos “que nós gostávamos de tentar cumprir: um prende-se com o dinamizar o espaço público e o centro histórico da cidade à noite que estava cada vez mais abandonado e o outro prende-se com o divulgar de tudo o que seja criações locais e cruzar este trabalho com trabalho das outras pessoas que venham aqui”. 80% das pessoas que expuseram os seus trabalhos são caldenses.
Tiago Colaço expõe os seus trabalhos de ilustração digital e de forma tradicional

Esta edição superou largamente o número de visitantes da edição anterior, principalmente durante a tarde. “Noto que já souberam que havia e estão a vir mais durante a tarde”, indicou uma jovem vendedora, embora tenha sido mais à noite que se verificou um maior impacto.

Os visitantes mostraram-se bastante satisfeitos com esta iniciativa “porque existe convívio, as bancas dão a conhecer os seus produtos e os caldenses têm que sair da zona de conforto, ou seja, do sofá e sair, conviver, porque Caldas da Rainha anda muito morta”, expressou outra participante.

“Em Portugal vive-se uma crise muito grande e isto é uma forma dos jovens mostrarem aquilo que conseguem fazer e de certa maneira retirarem o peso desta crise social que está a acontecer”, comentou Tiago Colaço, um ilustrador que expôs o seu trabalho no Bazar.

“Esta é uma forma que achamos que é interessante para tentar criar algum respeito pelo valor do trabalho criativo”, manifestou Filipe Santos, que defendeu que “a ideia de que os artistas ou os designers são uma espécie de grupo à parte que não se enquadra muito nas regras normais de uma sociedade dita normal é errada e queremos mostrar que são pessoas iguais às outras, umas com uns interesses, outras com outros, e achamos que espaços como este são uma boa forma de cruzar esses interesses”.

Uma aposta que a organização fez para o Bazar foi a introdução da componente do produto biológico e do Food Design. Segundo Filipe Santos, “achámos que o formato de mercado tinha de ter uma componente gastronómica que também é importante para trazer e fixar pessoas”, realçando que “não quisemos que fosse uma componente gastronómica de uma forma qualquer”. Exemplo disso foi a exploração de novos produtos, particularmente um produto que foi só pensado para este evento: “A beijoca das Caldas é uma brincadeira desenvolvida por nós em que se pega num beijinho das Caldas, tira-se aquela capa de açúcar e faz-se uma cobertura de chocolate. É uma coisa extremamente simples”, descreveu Pedro Colaço, um dos organizadores que faz parte da CR&ATIVA.

Em conjunto com este evento, estiveram em exposição as peças originárias da coleção dos pacotes de açúcar ‘O Falo das Caldas – Tradição e Inovação’ no átrio da Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo e aberto ao público durante o dia e no horário do Bazar.

A organização garante que “não será de certeza a última iniciativa que nós vamos desenvolver para que a cidade renasça das cinzas”.

Nicola Henriques, que também faz parte da organização, adianta que a próxima programação será: 27 de julho – RAIZ – Feira de Artesanato Português; 10 de agosto – Bazar à Noite; 24 de agosto – RAIZ; 14 de setembro – último Bazar à Noite.

O que difere estas duas atividades é que “o Bazar à Noite está mais ligado à arte contemporânea, design, edição independente, roupa vintage, enquanto que a RAIZ é artesanato português puxando à raiz de algumas áreas de artesanato específicas”.

Ambas as iniciativas irão decorrer na Praça da Fruta, intercaladas de 15 em 15 dias.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Mulher morre atropelada por carro

Um atropelamento ocorrido nesta quinta-feira, às 20h50, na reta do Alto do Veríssimo, em Atouguia da Baleia, no concelho de Peniche, provocou uma vítima mortal e um ferido grave, ambos na casa dos 60 anos.

estrada

Iluminação natalícia desaba

O mau tempo terá estado na origem da queda de postes de iluminação natalícia nas Caldas da Rainha, na noite desta quarta-feira. Um carro sofreu danos assim como os vidros de um prédio.

20221208 001341