Q

Previsão do tempo

19° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 25° C
20° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
20° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 28° C

“SOS Termal” com 200 participantes no desfile e manifestação

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“O Hospital Termal de Caldas da Rainha é do povo. Estão a roubar o nosso património e a desrespeitar o legado da Rainha!”, podia ler-se num cartaz empunhado na manifestação “SOS Termal”, realizada na tarde de 15 de maio e que juntou cerca de 200 pessoas. Um protesto marcado simbolicamente para o dia da cidade, que tradicionalmente marcava a abertura da época alta termal.
Um dos cartazes na manifestação/foto Carlos Barroso

O evento foi promovido pela Comissão de Utentes “Juntos pelo Nosso Hospital” e não contou com nenhum elemento da vereação social-democrata ou dos principais dirigentes do PSD e CDS locais, ao contrário da presença de responsáveis de outros partidos, que após a realização da homenagem à rainha D. Leonor, com é tradicional no ferido municipal, não se deslocaram ao Hospital Termal para a habitual visita e sessão solene, que foram canceladas.

O encerramento indefinido do Hospital Termal foi o principal motivo que levou à organização da manifestação. A comissão de utentes considera “absolutamente inaceitável que os responsáveis pela gestão danosa do Hospital Termal nos últimos quatro anos sejam agora aqueles que exercem uma chantagem inadmissível sobre a cidade de Caldas da Rainha para que aceite os termos da sua cedência precária por um prazo de 25 anos”.

A comissão de utentes considera ainda que o futuro do Hospital Termal “deve passar por uma solução aberta, participada e sustentada nas responsabilidades partilhadas pelas autoridades democraticamente eleitas, tendo como objetivo a sua valorização e requalificação, assim como de todo o seu património”.

Após concentração na Praça 5 de Outubro, realizou-se uma marcha pela Rua Heróis da Grande Guerra até à Rainha e depois pela Rua de Camões até ao Largo da Copa (frente ao Hospital Termal).

Jaime Neto, porta-voz da comissão de utentes, disse ao JORNAL DAS CALDAS que “o objetivo desta marcha é dar corpo à voz dos cidadãos caldenses, que exigem soluções transparentes para o hospital termal”.

“Achamos que está na altura de começar a construir um projeto futuro. Este é o hospital termal mais antigo do mundo, que tem um grande potencial. As termas encontram-se encerradas e ninguém pode ter acesso às águas, pelo que defendemos a reabertura”, vincou.

“O termalismo podia ser uma mais valia na economia da região, integrada numa área turística, associando os tratamentos clássicos com o termalismo de bem-estar”, fez notar António Curado, da comissão de utentes.

Ana Voigt, da comissão de utentes, lembrou que as Termas “desenvolviam a economia em redor, movimentavam muita gente e o dinheiro circulava”. “As fábricas de cerâmica têm fechado, a restauração também não tem clientes e o estado do Hospital Termal vem agravar a situação”, lamentou.

Helena Carvalho, uma das participantes na manifestação, sublinhou que o Hospital Termal “era um polo para toda a cidade, porque as pessoas vinham e alugavam quartos e agora o comércio ficou todo prejudicado”.

O protesto culminou com uma largada de balões pretos e brancos, embora o vento não tenha ajudado.

Francisco Gomes

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Despiste de mota mortal

Um homem de 44 anos morreu na tarde do passado domingo no Cadaval, na sequência do despiste da mota que conduzia.

Brass Dass animou ruas da cidade

No âmbito do programa de Animação de Verão 2022, promovido pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha, em parceria com o Centro Cultural e de Congressos de Caldas da Rainha, decorreu no passado sábado mais uma arruada pela cidade.

anima