Q

Previsão do tempo

21° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 25° C
21° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
21° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 28° C
“Pedaços das Caldas para lá do Guadiana”

Mais de 30 anos de cicloturismo reunidos no novo livro de Mário Lino

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Foi um sucesso a apresentação do livro “Pedaços das Caldas para lá do Guadiana”, de Mário Lino, que decorreu no dia 6 de abril, no Salão Nobre da Câmara Municipal das Caldas da Rainha. A afluência de mais de uma centena de pessoas à sessão de lançamento do livro, onde se pode agora conhecer através das imagens, os laços afetivos e culturais que nos aproximam de Villanueva del Fresno, Oliva de la Frontera, Badajoz, La Codosera e Olivença, é a prova do carinho que os caldenses têm pelo autor.
Mário Lino na apresentação do livro

A cerimónia iniciou com a atuação do Orfeão Caldense. Mário Lino, responsável pelo Museu do Ciclismo, nas Caldas da Rainha, e uma das mais emblemáticas figuras na promoção e organização de eventos ligados ao cicloturismo, nomeadamente a histórica “Caldas – Badajoz” dedicou a obra ao Sporting Clube das Caldas e aos “30 mil cicloturistas portugueses e espanhóis que quiseram ano após ano pedalar comigo ao longo de um quatro de século, desde as Caldas da Rainha à “Extremadura” espanhola”.

A obra “Pedaços das Caldas para Lá do Guadiana” reúne os marcos mais importantes dos trinta anos de cicloturismo. A publicação mostra como Caldas da Rainha, através das bicicletas, ficou mais conhecida em Espanha. “O livro retrata e caracteriza algumas das muitas localidades que o ciclo brevet internacional teve por meta em terras da Estremadura Espanhola, às quais os diversos ayuntamientos como Badajoz, Oliva de la Frontera, Olivença e La Codosera deliberaram atribuir topónimos com o nome das Caldas da Rainha a estas mesmas povoações por motivo do intercâmbio ciclo turístico desportivo e cultural que vêm mantendo com as Caldas da Rainha”, explicou o autor.

A sessão contou com a presença de Tinta Ferreira, vice-presidente da Câmara das Caldas, Manuel Piris, alcaide de La Codosera em representação do presidente do Governo da Extremadura Espanhola, Mário Tavares, presidente da assembleia geral do Sporting das Caldas, e Carlos Gomes, presidente da direção do Sporting das Caldas.

Manuel Piris destacou a ponte entre Caldas e as povoações fronteiriças estabelecida pelo ciclismo.

Mário Tavares sublinhou que o cicloturismo” aproximou o povo português do espanhol. Quanto ao livro, disse tratar-se de uma publicação “excelente”.

Presente também nesta sessão esteve José Castela, autor de vários livros sobre ficção e também de ciclismo, que destacou a forma eclética que Mário Lino consegue na sua escrita. Realçou ainda que é uma honra para as Caldas da Rainha “ter um filho como Mário Lino”.

“A história sempre nos proporciona personalidades que se preocupam com as demais. E hoje temos o melhor exemplo com Mário Lino, porque esta obra, que podemos considerar um testemunho histórico, abrange o sentir e o transmitir da cultura dos povos que se irmanam para compartilhar situações e ocasiões tantas vezes desejadas”, palavras escritas na obra por José António Monago, presidente do Governo da Extremadura. Segundo este responsável, é com este livro que “descobrimo-nos uns aos outros, descobrimo-nos a nós mesmos e mostramo-nos ao mundo tal como somos, um único povo desfrutando de uma terra inigualável”.

Mário Lino não podia estar mais feliz por ver o salão nobre cheio de gente para assistir à apresentação da sua obra. Disse que era um trabalho que há anos que tinha ideia de escrever e que só foi possível porque “um dia houve Caldas-Badajoz em cicloturismo e eu deixei na outra margem do Guadiana um contentor carregado de memórias”.

Na cerimónia o autor agradeceu a várias pessoas e entidades, entre eles Manuel Nunes, Mário Tavares, Tinta Ferreira, Joaquim Urbano, Ramiro, Bombeiros das Caldas, António Marques, António Próspero, Coronel Pinheiro e Mário Loureiro, pelo contributo “que deram ao cicloturismo ao longo de trinta anos e também à construção deste livro”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Despiste de mota mortal

Um homem de 44 anos morreu na tarde do passado domingo no Cadaval, na sequência do despiste da mota que conduzia.

Brass Dass animou ruas da cidade

No âmbito do programa de Animação de Verão 2022, promovido pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha, em parceria com o Centro Cultural e de Congressos de Caldas da Rainha, decorreu no passado sábado mais uma arruada pela cidade.

anima