Q

Previsão do tempo

22° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 23° C
22° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 24° C
  • Saturday 23° C
23° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 25° C

A Insustentável leveza da irresponsabilidade

Fernando Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
São pesados e sombrios os dias que vivemos, foram alegres e despreocupadas as duas últimas décadas. Julgámos que a prosperidade era eterna, e que não haveria facturas a pagar. Estávamos errados, como infelizmente a realidade se encarregou de demonstrar. Recusámo-nos a reconhecer os sinais, a ouvir quem nos avisava, preferimos seguir políticos que negavam em público o que em privado reconheciam, que alimentavam a credulidade dos seus apoiantes aumentando imparavelmente os ”direitos adquiridos”, para se agarrarem ao poder.

Recusámo-nos a aceitar que esses direitos implicavam deveres, que era necessário trabalhar e não somente ter emprego. Mas ter emprego era um direito adquirido, ser obrigado a trabalhar, uma violência. Como um direito adquirido era não ter que demonstrar publicamente, através de provas de avaliação, que se aprendera algo na escola, que esta não era um mero local de recreação, onde o importante é não traumatizar as criancinhas, e que a adolescência termina aos trinta…

A realidade veio repor a verdade dos factos, da forma mais violenta. Todos sofremos mais ou menos o doloroso despertar. A próxima década será difícil e conturbada, estamos no limiar de uma era diferente, eventualmente mais justa por exigir que todos sejam chamados a construir o futuro.

A política tornou-se feudo de mágicos que tiram coelhos da cartola. Sócrates, que era muito coisa menos filósofo, foi exemplar na sua negação da realidade. Mas não esteve só. E a triste realidade que agora vivemos é a negação de tudo o que nos prometeram.

Mesmo assim persistimos na negação dos perigos que nos cercam. Alguém tem dúvidas quanto ao caos que seria (será) quando formos confrontados com uma catástrofe natural como a que hoje ameaça Nova Iorque. Onde estão a sirenes da defesa civil? E para que serviriam, se nunca ninguém se preocupou com exercícios que mostrassem para que servem? Onde estão os planos de contingência para catástrofes? Eventualmente, no segredo de algum gabinete, para não provocar pânico. Porque, como bem sabemos, o pânico é mau conselheiro em tempo de eleições, e há sempre uma eleição ao virar da esquina.

Persistimos em pensar que é um desperdício gastar dinheiro com a Defesa, com as Forças Armadas. Ninguém quer saber, ou admitir, que foram a única instituição com capacidade de resposta imediata, em meios e organização, quando das cheias da Madeira.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Óbidos Criativa no Nacional de Masters com 14 pódios

O Clube de Natação Óbidos Criativa (OC) participou no Campeonato Nacional de Masters de Verão, realizado de 4 a 7 de julho no complexo de piscinas de São João da Madeira. Os nadadores de Óbidos alcançaram 14 pódios, com cada atleta a conquistar pelo menos um lugar no pódio.

Masters

Ministro assinala 100 dias de Governo no Cadaval

Para assinalar os primeiros 100 dias de governação, o PSD organizou, em todo o país, reuniões abertas aos militantes e simpatizantes, com a participação de um ministro. Foi neste contexto que, no passado dia 10, o ministro-adjunto da Coesão Territorial, Manuel Castro Almeida, esteve no Cadaval.

ministro