Q

Previsão do tempo

20° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 25° C
20° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
21° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 28° C

O que não é pedra é luz

Carlos Barroso

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Está patente no Museu e Casa Bernardo, espaços museológicos privados, mas abertos à comunidade, uma exposição que retrata os últimos vinte anos da comunidade.
João Belga e Pedro Bernardo/foto Carlos Barroso

A mostra, inserida no Projeto de Ozzy e Associação P. Bernard apresenta “O que não é pedra, é Luz”, com trabalhos de Joana Montez, João Belga, Pedro Bernardo e Pedro Cá. A exposição está dividida em duas etapas. A primeira na Casa Bernardo, que abre às 17h, a segunda no Museu Bernardo, que abre às 22h. Os trabalhos tem como objetivo mostrar as criações dos quatro artistas que vivem na cidade de Caldas. “É uma exigência para o discurso moderno, enquanto os programas originais e novas de arte para promover a existência das periferias. Esta exposição é também para desenhar um retrato de subculturas que surgiu no pós 25 de abril, com o início da globalização, e que realizou com os seus novos valores criativos, como fazê-lo sozinho, para este dia”, descrevem os autores. Uma fotografia do cavaleiro José Tanganho, bisavô de Pedro Bernardo, é uma das imagens que está patente na Casa Bernardo, que inicia aqui uma ligação da história das Caldas e a arte contemporânea. Segundo João Belga em causa estão quatro artistas das Caldas, ele próprio e Pedro Cá, Joana Montez e Pedro Bernardo, que apresentam “o seu trabalho, mas também um reflexo do ambiente nas Caldas, que se sempre se viveu”. “Esta exposição reflete muito o nosso percurso enquanto artistas. Isto é um convite às pessoas das Caldas a visitarem uma exposição que está relacionada com a cidade e com as pessoas que produzem arte nas Caldas”, explicou. “Independente e estar na arte é isso que retratamos. São os últimos 25 anos. Não temos apenas artes plásticas, mas também temos música. Agora queremos prosseguir com um documento com a informação que recolhemos nos últimos seis meses. Gostaríamos de editar um documento, porque reunimos muita informação para além da que está na exposição na Casa e Museu Bernardo. Para os promotores do projeto, “deu para perceber que muitas pessoas que vieram aqui porque haviam coisas que lhes diziam algo. As pessoas que vieram aqui, não são o público normal que visita a Casa Bernardo, porque há preconceito com a arte contemporânea. Há sempre observações de que aqueles gajos são muito complicados. O facto deles se verem aqui retratados, fez com que muitas pessoas que tem um certo pudor em vir, fez com que elas viessem. Isto é captar e deu para perceber que a arte é a nossa vida. Aqui reflete-se o nosso dia a dia. Somos quatro artistas, cujo trabalho reflete muito as suas vivencias na cidade. Isto é uma forma de trazer pessoas à arte contemporânea”, disse João Belga. A exposição, patente até ao dia 22 de setembro, e o projeto tem o programa de apoio para a criação artística da Fundação Calouste Gulbenkian e a Câmara Municipal de Caldas da Rainha.

Carlos Barroso

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Despiste de mota mortal

Um homem de 44 anos morreu na tarde do passado domingo no Cadaval, na sequência do despiste da mota que conduzia.

Brass Dass animou ruas da cidade

No âmbito do programa de Animação de Verão 2022, promovido pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha, em parceria com o Centro Cultural e de Congressos de Caldas da Rainha, decorreu no passado sábado mais uma arruada pela cidade.

anima