Q

Previsão do tempo

16° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 19° C
  • Wednesday 22° C
16° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 23° C
16° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 22° C
  • Wednesday 25° C

Palavras da nossa gente: o nazareno

Guilherme Marques Barbosa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“Comunicar é entrar em relação com alguém, uma relação entre um emissor que fornece alguma coisa a um recetor criando um laço que se estabelece entre dois indivíduos por intermédio da palavra. Dois indivíduos podem entrar facilmente em relação, quando pertencem à mesma comunidade, quando partilham o mesmo sistema de comunicação, a mesma língua.

Quando visitamos a vila da Nazaré e se atentarmos a um diálogo entre dois indivíduos dessa comunidade, iremos constatar certas distinções no sistema de comunicação apesar de partilharem a mesma língua que o visitante da sua terra.

A primeira distinção óbvia que o visitante consegue apurar é da articulação da palavra aliado com o sotaque nazareno: “Tá mêa praia alvantada” (Está meia praia levantada); “Xá andá’p’ò sul” (Deixa andar para o sul). Se aprofundarmos o diálogo entre dois nazarenos a nossa condição de visitante começa a ficar mais assente quando começamos a ficar distanciados da compreensão do diálogo entre os conterrâneos.

Léxicos, expressões e referências a pequenas estórias sucedidas na vila complexificam a interpretação do diálogo: “Picnin” (pequeno) “Stinêta” (criança inquieta) “Alborques” (intrigas); “Tá même jêts de rabiosa” (diz – se quando o mar começa a ficar bravo) “Cu de poita” (diz – se que o rabo é grande) “Arr’ chiça e contra chiça lá pa trás” (diz – se para negar uma difamação); “Já tás a variá’ c’m’à menhé do Trecat” (referência à esposa de um individuo chamado Trecat que cometeu adultério e pediu – lhe perdão do seguinte modo: “perdoa – m’ homem qu’eu varie”, usa-se a expressão referida quando subitamente uma pessoa muda de ideias).

O nazareno torna-se o senhor do mundo interpondo, entre o mundo e ele, uma rede de palavras. Essa rede é a língua, que, à imagem de uma rede lançada sobre a realidade das coisas, conserva nas suas malhas simbólicas uma realidade que decompõe, que organiza, e da qual toma posse. Na condição de visitante da vila da Nazaré apreendo que na Nazaré fala o nazareno e o visitante cala – se para ouvir e aprender. Apesar de ouvirmos a mesma língua através das plataformas mediáticas, os dialetos locais como o nazareno estão a ficar cada vez mais enraizados nas culturas regionais solidificando a distinção micro cultural.

Para finalizar aqui fica exposto um poema de Fernando Pessoa, Mar Português, transcrito em nazareno”:

Mar Português

Ai mar salgad, q’ant’ d’ tê sal

San lágrimas d’ Portugal!

Po’ t’ cruzarmos, q’antas mães choraram,

Q’ants filhos im van rezaram!

Q’antas noivas ficaram po’ casar

P’ra qui fosses nosso, ai mar!

Valeu a pena? Tud’ val’ a pena

Si a alma nã é picnina.

Quem quer passar além do Bojador

Tem qui passar além da dor.

Deus ‘o mar o prig’ e o abismo deu,

Mas nele é qui espelhou o céu.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Estudantes visitam Paul de Tornada

A Associação PATO recebeu duas turmas da Escola Secundária Raul Proença, que realizaram um conjunto de atividades de voluntariado, explorando a Reserva Natural do Paul de Tornada numa visita guiada, contribuíram para o nascimento de um jardim sensorial e efetuaram ainda uma monitorização ambiental na Lagoa de Óbidos com o Projeto Coastwatch, recolhendo muito lixo marinho.

pato

Jovens portugueses e finlandeses em intercâmbio

Entre os dias 1 e 8 de abril, a Associação Juvenil de Peniche foi palco de um intercâmbio sob a temática da arte e sustentabilidade. O evento recebeu a participação de doze jovens, de Portugal e Finlândia, com idades entre os 15 e os 25 anos.

intercambio

Curso Avançado de Produção de Microalgas e Cultivos Auxiliares

O MARE - Politécnico de Leiria e a Escola Superior de Turismo e Tecnologias do Mar, em Peniche, vão promover uma nova edição do Curso Avançado de Produção de Microalgas e Cultivos Auxiliares, que pretende dar a conhecer as espécies de microalgas cultivadas em laboratório, métodos de cultivo, potencialidades como recursos marinhos, sistemas de produção, e os cultivos auxiliares que beneficiam e cujo valor nutricional pode ser modelado através da alimentação com microalgas. As inscrições estão abertas até dia 27 de maio.