Q

Previsão do tempo

15° C
  • Sunday 19° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 21° C
15° C
  • Sunday 20° C
  • Monday 22° C
  • Tuesday 21° C
16° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 23° C
  • Tuesday 23° C

Bass Off apresenta CD

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A banda caldense Bass Off apresentou na passada quinta-feira o seu trabalho no auditório do Centro da Juventude das Caldas da Rainha, onde o ambiente foi memorável para este três jovens, que têm vindo a marcar presença no mundo da música nacional. Detentora de um rock alternativo experimental com influências indie, a banda lançou recentemente […]
Bass Off apresenta CD

A banda caldense Bass Off apresentou na passada quinta-feira o seu trabalho no auditório do Centro da Juventude das Caldas da Rainha, onde o ambiente foi memorável para este três jovens, que têm vindo a marcar presença no mundo da música nacional. Detentora de um rock alternativo experimental com influências indie, a banda lançou recentemente para o mercado o álbum de estreia intitulado “Ohmónimo”. Composto por nove faixas, este álbum é o resultado da participação vitoriosa na edição de 2008 do Festival Termómetro, organizado por Fernando Alvim, e da conquista do primeiro lugar no concurso MTV/Levi’s 501 Live Unbuttoned. O single do álbum, “Whatever”, é o cartão-de-visita deste trabalho. Os Bass-Off surgiram em 2004 pelas mãos de Joe (guitarra e voz), Né (guitarra e voz) e Nuno (bateria e voz) que no mesmo ano gravaram o primeiro EP intitulado “Life is not na EP”. O registo valeu-lhes uma actuação no Festival Gorumelo Rock, em Espanha, com os Yellow W Van e a abertura dos concertos de Pedro Abrunhosa. Dois anos mais tarde, a banda volta a estúdio para apresentar o segundo EP “Rouge”, que lhes permite nova incursão à terra de nuestros hermanos para um espectáculo na Sala Mercantil, em Badajoz. Em 2009, os Bass-Off sobem ao palco do Super Bock em Stock e já no início deste ano concretizam um conjunto de datas em Londres.   Texto: Carlos Barroso Foto: Edgar Libório   JORNAL das CALDAS: Como correu o concerto? Bass Off: Foi muito bom, acho que não podíamos esperar melhor. A sala estava bem composta e da nossa parte ficamos orgulhosos de ter dado um bom espectáculo, com o alinhamento do disco a mostrar-se muito consistente e com uma boa performance de todos.   J.C.: O Centro da Juventude foi o local ideal para se fazer o lançamento do cd da banda ou acham que deveriam ter tido outro palco? B. O.: Queríamos que o primeiro concerto de apresentação do álbum fosse de certa forma especial e intimista, por isso fez todo o sentido que fosse no Centro da Juventude, visto ter sido onde nos estreámos há precisamente 6 anos. Podíamos de facto ter apostado noutro palco, com maior projecção, mas acabaria por não fazer sentido iniciarmos esta nova fase fora da nossa cidade. Agora sim, iremos avançar com as apresentações em Lisboa e no Porto.   J.C.: Como está a ser aceite o vosso primeiro trabalho discográfico, quer a nível local, quer nacional ou internacionalmente? B. O.: Não podíamos estar mais contentes! Todo o feedback que temos recebido tem sido muito positivo, tanto a nível dos media como dos ouvintes individuais. O nosso Myspace mostra uma quantidade de visitas internacionais superior às nacionais, o que desde logo é um excelente indicador de que estamos a conseguir agradar a público internacional. A nível nacional temos tido um apoio incrível de várias partes, mais recentemente da MTV, que adorou o videoclip do nosso single (realizado pelo Miguel Nicolau, também ele músico caldense) e decidiu por isso apoiar o nosso projecto com algumas iniciativas de divulgação muito interessantes.   J.C.: Como o descrevem? B. O.: O “Ohmónimo” é um portfolio dos Bass-Off, na medida em que tentamos num só disco mostrar um pouco de tudo o que se passa nas nossas composições. Nunca gostámos muito de rótulos e até achamos que não nos incluímos em nenhum em especial, portanto, procurámos que o disco fosse uma mostra disso mesmo, dessa variedade musical.   J.C.: Quais são as vossas expectativas futuras? B. O.: Para já queremos tocar bastante, queremos correr o maior número de salas possível e dar bastante rodagem ao álbum. A nossa grande força foi sempre os concertos, portanto, queremos mostrar às pessoas o que o disco realmente vale ao vivo. Queremos voltar a tocar fora de Portugal, primeiro porque sempre que o fizemos resultou muito bem e segundo porque é muito importante exportar a nossa música para outros mercados. Paralelamente vamos também trabalhar em novos temas, não só para aumentar repertório, mas também para começar a reunir material para o segundo álbum.   J.C.: Dada a massa criativa musical existente nas Caldas, concordam que seja realizado um concerto com todas as bandas caldenses por forma a estimular quem anda por aí e aquelas que são maduras e estão já com alguma projecção? B. O.: Claro que sim! Este tipo de iniciativas é sempre importante para mostrar o trabalho que as bandas fazem. Dentro dessa “massa criativa” existe muita qualidade espalhada por muitos projectos, mas infelizmente parece que por vezes as pessoas andam distraídas em relação ao que se faz nas Caldas, por isso há que divulgar e mostrar o potencial que de facto existe nesta cidade. Aproveitamos apenas para relembrar que podem visitar o nosso Myspace (www.myspace.com/bassoffband) e Facebook (www.facebook.com/bassoffband) para ficarem a par de todas novidades e ter acesso a todos os nosso temas, vídeos e fotos. Por último queremos agradecer publicamente a todos os que têm apoiado este projecto ao longo destes 6 anos e agradecer de forma especial a todos os que estiveram presentes no Centro da Juventude.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Fados no Valado de Santa Quitéria

No passado sábado, o snack bar da Associação Recreativa Desportiva Quiterense, no Valado de Santa Quitéria, sob a gerência de Rogério Camacho, levou a efeito uma noite de fados com João Plácido, Natália Neves, Sandra Caetano, José Neves e Manuel Neves.

valado

“A Revolução do 25 de Abril” no Café Central

O livro “A Revolução do 25 de Abril”, ensaio histórico de Medeiros Ferreira, é apresentado no próximo sábado, às 15h00, no Café Central, nas Caldas da Rainha, por Luís Nuno Rodrigues (ISCTE-IUL), Manuel Martins (NOVA FCSH) e o editor João Pedro Ruivo.