Q

Previsão do tempo

25° C
  • Friday 25° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 22° C
25° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 22° C
27° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 24° C

Incêndio em casa ocupada por toxicodependentes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O fogo numa casa devoluta levantou o problema das casas ocupadas pelos toxicodependentes e os condicionalismos que a lei coloca à actuação das entidades oficiais. A população do Bairro da Ponte saiu quase toda à rua e mostrou-se revoltada mas ao mesmo tempo aliviada pelo facto da casa situada entre a Rua Vítor Lopes e […]
Incêndio em casa ocupada por toxicodependentes

O fogo numa casa devoluta levantou o problema das casas ocupadas pelos toxicodependentes e os condicionalismos que a lei coloca à actuação das entidades oficiais. A população do Bairro da Ponte saiu quase toda à rua e mostrou-se revoltada mas ao mesmo tempo aliviada pelo facto da casa situada entre a Rua Vítor Lopes e a Rua 15 de Agosto ter ardido parcialmente, no dia 24 de Abril, pelas 19h40. O alívio sentido pela população deve-se ao facto de agora os intrusos não voltarem ao espaço. Segundo o delegado da protecção civil das Caldas da Rainha, José António, a casa onde deflagrou o incêndio “estava ocupada por toxicodependentes que se terão descuidado e provocado um foco de incêndio”. O mesmo responsável revelou que o prédio já “foi alvo de uma vistoria de onde saiu uma notificação ao proprietário, estando os trâmites legais a decorrer”, isto é, cerca de seis meses para proceder à limpeza e encerramento da habitação. José António considera que “o final não foi feliz para esta habitação”, uma vez que desejaria que “o proprietário tivesse limpo o espaço, tivesse fechado a casa de forma a evitar a invasão de estranhos, mas como tudo é muito lento, não fomos a tempo de evitar este fogo”. O delegado de protecção civil confessou igualmente que poucos minutos antes de suceder o incêndio tinha conversado com o presidente da Junta de Santo Onofre, que se manifestou preocupado com o edifício, pois poderia acontecer um fogo, o que veio a acontecer minutos depois. José António revelou que “este é um dos muitos prédios existentes na cidade que estão inventariados e alguns vistoriados”, considerando o prédio da Placol outro dos edifícios em risco, num universo da dezena e meia de edifícios que estão ocupados por toxicodependentes. O delegado de protecção civil referiu que “a Câmara apenas pode notificar o proprietário, num prazo razoável, normalmente de 60 dias, para que se proceda à limpeza, e só depois de não cumprimento pode ser feita uma segunda notificação e só depois desta, e em condições, muito excepcionais pode intervir, porque são edifícios de propriedade privada”. Ao local deste fogo compareceram doze bombeiros apoiados por cinco viaturas que durante mais de quatro horas combateram o incêndio que tomou conta da cobertura da habitação. Carlos Barroso

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Líder do PCP diz que a construção do novo hospital do Oeste é uma opção do Governo 

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, esteve na Festa de Verão do PCP, junto ao Penedo Furado, na Foz do Arelho, no passado dia 14, e disse que a construção do novo hospital do Oeste nesta legislatura é “uma questão de opção do Governo”. “Não me venham dizer que não há dinheiro, é mentira. São precisas opções”, afirmou.

PCP 1

Novo presidente do Rotary quer ajudar os bombeiros com a compra de aparelhos respiratórios

O empresário Luiz Gomes assumiu, no passado dia 8, a liderança do Rotary Club das Caldas da Rainha, sucedendo na função a Hélia Silva na cerimónia de transmissão de tarefas que decorreu no restaurante “A Lareira”, com o lema “A Magia do Rotary”, numa alusão à capacidade que cada rotário tem em melhorar a comunidade onde se enquadra.

presidente 1

Escultura de homenagem à PSP deixa polícias emocionados pela ligação à comunidade

Foi inaugurada na passada sexta-feira uma escultura de homenagem à PSP na sede da Divisão Policial das Caldas da Rainha, a propósito dos 150 anos do Comando Distrital. Peça da autoria de Carlos Oliveira em parceria com a empresa MVC Portuguese Limestones, representa “um gesto de apreço pela entrega abnegada dos nossos polícias no que fazem na defesa dos que mais precisam”, considerou o superintendente, Luís Carrilho, diretor nacional da PSP, presente na cerimónia.

escultura1 1