Q

Previsão do tempo

12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C
12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C
13° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C

Menina de cinco anos morre atropelada

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“A Daniela atravessou a passadeira para ir dar um beijinho a uma senhora e quando quis regressar ao outro lado da estrada foi apanhada por um carro”. É assim que Jane Silva relata o que se passou com a sua filha, atropelada na tarde de 11 de Março no Bombarral. A menina de cinco anos […]
Menina de cinco anos morre atropelada

“A Daniela atravessou a passadeira para ir dar um beijinho a uma senhora e quando quis regressar ao outro lado da estrada foi apanhada por um carro”. É assim que Jane Silva relata o que se passou com a sua filha, atropelada na tarde de 11 de Março no Bombarral. A menina de cinco anos não resistiu aos ferimentos e acabou por falecer no Hospital de Santa Maria. A criança sofreu lesões ao nível abdominal e do crânio graves, fracturou um braço e perdeu muito sangue. As vias respiratórias ficaram obstruídas e a recuperação tornou-se impossível. O sentimento de dor e consternação envolveu a vila do Bombarral, onde os pais da criança eram bastante conhecidos, pelo facto da mãe ser proprietária de um café muito frequentado e o pai, Paulo Silva, ser empreiteiro. Na altura do acidente, minutos antes das cinco da tarde, Daniela Ferreira da Silva, residente em Vale Covo, Bombarral, encontrava-se com a mãe. Depois de terem feito compras no supermercado Lidl, na Rua Mouzinho de Albuquerque, na EN 8, deixaram o carro no parque de estacionamento e foram ter com uma senhora para receber a renda do aluguer de uma casa, situada nas proximidades, num local de grande tráfego automóvel. “Quando viemos embora a Daniela não se despediu e quando chegámos ao carro ela largou-me a mão e voltou para trás para dizer adeus. Chegou à passadeira em frente ao portão da casa, olhou para os dois lados, viu que não vinha ninguém e atravessou. Quando eu ia ter com ela, a menina ia a regressar e foi atingida por um carro que entretanto apareceu”, contou Jane Silva, que assegura que a criança estava a utilizar a passadeira. Segundo adiantou, a menina terá sido projectada perto de seis metros. Ficou inconsciente mas estava com pulsação quando uma ambulância com três bombeiros em poucos minutos chegou ao local. “Apresentava vários traumatismos e lesões e uma hemorragia grave”, indicou o comandante dos bombeiros do Bombarral, Pedro Lourenço. Foram prestados os primeiros socorros até à chegada da viatura médica de emergência e reanimação de Caldas da Rainha, que preparou a criança para ser transportada num helicóptero do INEM, que aterrou num campo de futebol pelado, para o Hospital de Santa Maria, onde pouco depois viria a ser declarado o óbito. O condutor do veículo ligeiro que atropelou mortalmente a criança diz-se de “consciência tranquila”, negando ter cometido qualquer infracção. “Ia a cerca de 30 kms/h, não bebo e a criança apareceu de repente fora da passadeira”, declarou Manuel Abreu, dono de uma recauchutagem no Bombarral, que estava acompanhado de uma funcionária. “É chato, porque é uma criança, mas não assumo a responsabilidade, porque não a tenho”, manifestou o condutor, de 64 anos, com carta de condução “desde os 18 e sem qualquer acidente por mim provocado”. Segundo relatou, “a criança vinha a correr de uma zona descampada ao lado da casa. A passadeira está em frente à casa e ela estaria a uns cinco ou seis metros de distância a atravessar a estrada”. “Foi ela quem bateu de lado no carro, não fui eu quem provocou o choque”, disse, adiantando que Daniela “caiu no mesmo local e não foi projectada”, o que contraria a versão da mãe. Francisco Gomes Sem álcool O teste de alcoolemia realizado pela GNR não detectou excesso de álcool no sangue. Na passadeira existe uma marca de travagem, supostamente do veículo, que ficou com a parte dianteira direita danificada. O caso foi entregue ao Tribunal do Bombarral. Lombas reclamadas O local já foi palco de vários acidentes, levando a população a reclamar a colocação de lombas ou instalação de semáforos para travar a sinistralidade. Para assinalar este atropelamento, foram deixadas flores por familiares e amigos da criança. Filha única Daniela, que frequentava um jardim de infância próximo do local do acidente, era filha única do casal. A mãe tinha sentido dificuldades em engravidar, devido a problemas de fertilidade, e dificilmente poderá ter mais filhos. Ainda não lhes foi prestado apoio psicológico.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Suspeitos de pesca ilegal fogem à GNR

O Subdestacamento de Controlo Costeiro da Nazaré da GNR apreendeu seis quilos de meixão naquele concelho, no passado dia 24, no âmbito de uma ação de fiscalização levada a cabo com o objetivo de combater a captura ilegal de enguia europeia, vulgarmente conhecida...

meixao 1

Infantis de Óbidos em bom plano

A equipa de infantis do clube Óbidos Criativa competiu, no passado dia 21 na XXX Taça Vale do Tejo, nas piscinas municipais de Alcobaça. Mara Cotrim, Leonor Martins, Leonor Silva, Justin Borges, Tiago Correia e Pedro Capinha foram os jovens que nadaram com as cores...

infantis 2

Óbidos Cycling Team quer ser referência em sub-23

Nasceu a Óbidos Cycling Team sob a égide do Município de Óbidos, concretizando o sonho do diretor e manager da equipa, Micael Isidoro, ex-ciclista profissional licenciado em treino desportivo com especialização na área do ciclismo, pós-graduação e mestrado em alto...

cycling